O colapso do sistema municipal de saúde!!!

Share:


Promotor de Justiça de Defesa da Saúde de Imperatriz, Newton de Barros Bello Neto, entrevistou nesta segunda-feira (18), o Diretor Técnico da UPA –Bernardo Sayão, Dr. André Leôncio de Almeida Santos, que fez um relato sobre as unidades de saúde do município. 

- UPA Bernardo Sayão, Dr André disse que a unidade de saúde mesmo com o aumento de leitos, feito através de algumas adaptações, onde leitos infantis e a área administrativa foram transformados em leitos adultos, a unidade de saúde esta funcionando com a sua capacidade máxima de ocupação.

- UPA São Joséa mesma não dispõe da estrutura necessária, haja vista que entre demais falhas, o local não possui a ‘'Sala Vermelha'' para pacientes com quadro clínico mais agravados ou a dita ‘'Sala Amarela'', destinada à observação, além da dificuldade de acesso pela população.

- Hospital de Campanha MunicipalDr. André Leôncio afirma que compareceu ao local na presente data, e observou que a localidade tem operado com capacidade reduzida em detrimento do baixo número de funcionários. Além disso, alega a escassa estrutura do ambiente, aduz ainda que os leitos de UTI ali existentes além de serem insuficientes funcionam de modo precário, assim como se encontram os leitos de enfermaria e sua rede de oxigenação debilitada para tratamento de pacientes com coronavírus.

Hospital Macrorregional, a unidade hospitalar se encontra no limite de suas operações, só sendo possível o encaminhamento de determinado paciente quando ocorre a alta hospitalar de outro indivíduo.

- Hospital Socorrão, primordialmente é ressaltado que em caráter nacional, a incidência de pacientes que procuram por pronto atendimento em urgência/emergência tem como causa principal a COVID-19, diante disso, o Socorrão tem 350 leitos de enfermaria, com uma quantidade considerável vazias. De mesmo modo, boa parte dos 25 leitos de UTI disponíveis no local podem estar vazios, haja vista a não realização de cirurgias eletivas no momento. O Dr. André Leôncio sustenta que, se o HMI não for designado como referência para a COVID-19, o número de óbitos no Município de Imperatriz tende a crescer, visto a sobrecarga de outras unidades de saúde já demonstradas aqui por ele. Dr André ressalta a estrutura do ambiente, que vai desde o número de leitos disponíveis, quantitativo de quadro pessoal do recinto, e disponibilidade de realização de exames no próprio local, em contraste com a baixa demanda atual. É acentuado ainda o fato de o HMI dispor de um aparelho de TOMOGRAFIA dentro de sua unidade, sendo este um elemento essencial para suporte dos indivíduos com coronavírus, em discrepância com o fato de estes estarem se deslocando diuturnamente em ambulâncias para realizar tal exame no Hospital Macrorregional. Por conseguinte, em vista de tudo que fora exposto, o Diretor Técnico da UPA- Bernardo Sayão, aponta como alternativa o Hospital Socorrão tornar-se porta de entrada para pacientes para tratamento pelo NOVO CORONAVÍRUS, a fim de abrandar a atual situação da saúde no município.

- Hospital Socorrinho, é aduzido o escasso quantitativo de pacientes internados atualmente, em incompatibilidade com os 30 leitos disponíveis, como também é salientado as condições de sua estrutura, sendo assim, é sugerido pelo Dr. André Leôncio, que este volte a funcionar na UBS – Vila Nova, haja vista a pequena demanda de pediatria em contraste com a pandemia da Covid-19, e que no Socorrinho seja referência em cirurgia e ortopedia, a fim de possibilitar que Hospital Socorrão seja porta de entrada para o Coronavírus. Sendo apontado como um recurso possível para a contenção de óbitos na cidade!!!











Nenhum comentário