A morte do idoso na porta do Hospital Macrorregional, esta sendo investigada pelo Ministério Público - Secretário Carlos Lula, tem 10 dias para passar todas as informações!!!

Share:
Depois da postagem do Portal do Frei, denunciando a negligência do Hospital Macrorregional de Imperatriz, onde deixou um idoso morrer a míngua na porta do hospital, o Ministério Público instaurou um Inquérito Civil para apurar a possível omissão de socorro no Macrorregional. O promotor de justiça Newton de Barros Bello Neto deu 10 dias ao Secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula e ao diretor da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH) e ao diretor do Instituto Gerir, para que forneça informações detalhadas sobre o caso, incluindo a remessa ao Ministério Público de todos os documentos para elucidação da morte. Veja abaixo a íntegra da publicação do Ministério Público:

A 5ª Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde de Imperatriz instaurou, nesta terça-feira, 10, Inquérito Civil para apurar a possível ocorrência de omissão de socorro no Hospital Estadual Macrorregional de Imperatriz, no dia 7 de julho. O idoso Augustinho José Ferreira, 64 anos, teria falecido após agonizar por mais de 30 minutos dentro de um táxi sem receber qualquer atendimento, apesar dos apelos da família.

A omissão foi registrada em vídeo pelo enteado da vítima, sob a alegação de que o hospital não realiza atendimento de urgência e emergência. O caso ganhou grande repercussão na imprensa após a divulgação da filmagem. Segundo a família, uma equipe médica só resolveu atender o idoso quando ele já estava morto.

O promotor de justiça Newton de Barros Bello Neto informou que, após a conclusão das investigações, se constatada, a omissão de socorro pode vir a configurar a prática de atos de improbidade administrativa por parte dos gestores públicos e servidores da unidade de saúde.

O MPMA requisitou ao diretor do Hospital Estadual Macrorregional de Imperatriz, no prazo de cinco dias, o prontuário completo do paciente.

Também foi requisitado do secretário de Estado da Saúde, ao diretor da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH) e ao diretor do Instituto Gerir informações detalhadas sobre o caso, no prazo de dez dias, incluindo a remessa ao Ministério Público de todos os documentos para elucidação da morte.

CRIMINAL

Bello Neto informou, ainda, que após o recebimento dos documentos requisitados e a tomada do depoimento da família da vítima, as informações serão repassadas a uma Promotoria de Justiça com atribuição criminal para prosseguimento das investigações nessa esfera.

Redação: Johelton Gomes (CCOM-MPMA)

Nenhum comentário