MENTIRA E MISÉRIA! Confederação Nacional dos Transportes e IBGE, desmentem o Governo Flávio Dino!!!

Share:


O Governador Flávio Dino sofreu um duro golpe, ele foi desmentido pela CNT - Confederação Nacional dos Transportes e pelo IBGE. O Secretário Estadual de Infraestrutura Clayton Noleto, passou três anos fazendo propaganda do principal programa do governo comunista, o Mais Asfalto. O relatório anual das estradas brasileiras feita pela CNT, desmente o nobre secretário, segundo o relatório, 95% das estradas Maranhenses estão ruins ou péssimas, então o dinheiro que foi usado na execução desse programa, foi gasto onde? Nas propagandas? Outro relatório que acabou de matar o governo de 5ª CATIGURIA, o relatório do IBGE, onde segundo a Síntese de Indicadores Sociais de 2017, mostra que, de cada dez Maranhenses, cinco estão abaixo da linha de pobreza. O relatório mostrou também que o estado tem a menor renda per capita, cerca de R$ 10 reais por dia por pessoa, cerca de 52% da população vive com esse dinheiro. Outro dado curioso do relatório, de cada três jovens de 16 a 29 anos, um deles não estuda e nem trabalha. Ainda de acordo com o IBGE, 312 mil pessoas no Maranhão atingiram a linha da “extrema pobreza” em 2015, 2016 e 2107, período em que Flávio Dino já era o governador do estado. "A juventude maranhense e a brasileira como um todo merece um destino melhor. E o destino passa necessariamente por um estado de bem estar social e que esteja envolvido educação, moradia e trabalho. Cerca de 30% dessa população de 16 a 29 anos em São Luís, por exemplo, está desempregada, uma taxa altíssima e o dobro da média nacional. Eu acho que a grande colaboração que o IBGE traz para a sociedade brasileira é mostrar esses números e mesmo que eles não sejam positivos, mas eles servem como sinal de que alguma coisa precisa ser feita”, explicou o analista do IBGE, José Reinaldo Barros. Triste conclusão, o governo gastou milhões com o programa Mais Asfalto e não conseguiu melhorar a qualidade de nossas estradas e com Flávio Dino, o Maranhão se tornou mais pobre.

Nenhum comentário