CUIDADO! Malária no Tocantins

Share:


[caption id="attachment_4174" align="aligncenter" width="495"] Maior parte dos casos confirmados de malária são em Araguatins (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)[/caption]

Portal G1 - O Tocantins tem 53 casos confirmados de malária em 2017. Os casos estão concentrados no extremo norte do estado, principalmente em Araguatins, que teve 49 confirmações da doença nos seis primeiros meses do ano. Outros quatro casos foram confirmados em Augustinópolis, na mesma região. Os dados são da Secretaria Estadual da Saúde (Sesau).





A secretaria informou também que foram realizados 528 exames em casos suspeitos da doença até o dia 17 de julho. As cidades onde o monitoramento é mais intenso são Araguatins, Augustinópolis, Buriti do Tocantins, Esperantina e Palmeiras do Tocantins.





Os dados indicam que 31 dos casos confirmados foram adquiridos pelos pacientes no próprio estado, os demais vieram de estados vizinhos. Em 2016 apenas três casos foram registrados na mesma região.






Sintomas





As pessoas que contraem a malária sentem dores de cabeça, febre alta, dores nos músculos e calafrios. Segundo a Sesau, todos os casos suspeitos devem passar por exames de diagnóstico rápido disponíveis gratuitamente na rede pública de saúde, que são o teste rápido ou o teste da gota espessa. O teste rápido pode ser realizado em qualquer unidade de saúde e o resultado sai em 15 minutos. Já o teste da gota espessa deve ser prescrito e o resultado sai em até 24 horas. Ambos os testes usam apenas poucas gotas de sangue retiradas do dedo do doente.






Tratamento





O governo informou que o tratamento é oferecido na rede pública de saúde, administrado de acordo com o quadro de cada paciente. A orientação é que as pessoas que apresentarem os sintomas, procurem uma unidade.






Precauções





Um dos cuidados é evitar locais que são habitats naturais do mosquito Anopheles darlingi, considerado vetor principal da doença, conhecido como mosquito-prego. Ele gosta de alimentar no anoitecer e no amanhecer, segundo o gerente do laboratório de entomologia, Rogério Rios. "Se a pessoa vai pescar ou acampar em áreas ribeirinhas ou em praias de rio, é importante usar repelentes entre 18 e 22 horas e entre 3 e 6 horas da manhã", recomendou.


* Titulo Meu



Nenhum comentário