Pregoeiro de Praia Norte é preso por fraude em Licitação

Share:
[caption id="attachment_3107" align="aligncenter" width="657"] Prefeitura da pequena e pacata cidade de Praia Norte[/caption]
Veja aí Prefeito Assis Ramos, o prefeitão Ho-Che-Min de Praia Norte, que ta querendo mandar na saúde de Imperatriz, não anda muito bem, segundo o site Araguaína Noticias, o Pregoeiro de Praia Norte, foi preso em flagrante por estar negando acesso a um Edital de Licitação. Esse prefeito não pode ser exemplo para um prefeito moralista como o senhor. Veja a matéria completa:

O Ministério Publico Estadual (MPE) prendeu em flagrante, na tarde da ultima sexta-feira, 17, na cidade Augustinópolis, o servidor publico Davi Silva Pereira, pregoeiro do Município de Praia Norte. O flagrante deu-se após denuncia de que o mesmo estava negando acesso ao Edital do processo Licitatório destinado à aquisição de bens para a Prefeitura Municipal de Praia Norte.


A denuncia foi formalizada na Promotoria de Justiça de Augustinópolis pelo comerciante Tamilson Lobo Carvalho. Apos tomar conhecimento da situação, o Promotor de Justiça Paulo Sergio Ferreira de Almeida determinou ao oficial de diligencia da instituição que fizesse uma nova tentativa de obter o edital junto ao pregoeiro, acompanhado do denunciante e de policiais. Ao recursar-se, mais uma vez, a fornecer o edital ao comerciante, o oficial de diligencia do MPE deu voz de prisão ao servidor publico e o conduziu à Central de Flagrantes de Augustinópolis.


De acordo com o Promotor de Justiça, o pregoeiro praticou atos com objetivo de frustrar a competitividade do procedimento Licitatório, configurando crime de fraude em licitação descrito no art. 90 da Lei nº 8.666/90. Davi foi solto no mesmo dia mediante o pagamento de fiança no valor de R$ 3.748,00


E.T.: O Blog do Porão recebeu denuncia que uma construtora da cidade já estaria levantando acampamento rumo a Praia Norte. Essa construtora já foi denunciada junto ao BNDES por envolvimento em corrupção. O Blog irá encaminhar essa denuncia para que o Ministério Publico possa investigar.


Nenhum comentário