BOMBA! BOMBA! BOMBA! Na Secretaria de Educação!

Share:

Recebi essa denuncia de um servidor publico da secretaria municipal de educação, segundo ele, a Associação das Diretoras ta se unindo ao Sindicato dos Professores em busca de mais poderes, e com isso conseguir fazer as indicações de interesses de seus presidentes. Para se fortalecer, eles irão derrubar o Presidente do Conselho Municipal de Educação, Juscelino Pereira. A maracutaia é grande, até os professores seriam prejudicados através do congelamento de seus salários, e pelas informações passadas, tem o aval do Prefeito eleito, Assis Ramos. Veja na íntegra o texto:


secretaria-de-educacao



Traição e jogo pelo poder na Semed


A eleição passou mas a disputa política ainda perdura forte no subterrâneo da estrutura da administração municipal dando azo aquela milenar peleja que antecede, inclusive a aparição do "homo sapiens": poder, prestígio e dinheiro.

Um caso curioso, que revela verdadeiro "canibalismo" está sendo observado entre as três forças que atuam diretamente no funcionamento da gigantesca Secretaria Municipal de Educação, a Semed.

Para arrebanhar a maioria dos cargos de direção de escolas, assessorias pedagógicas e outros mimos, e manter o mesmo prestígio que têm no governo Madeira, Francisco Messias, presidente do Steei (que apoio Ildon Marques) e Cleomar Conceição, presidente da Associação de Gestores das Escolas do Sistema Municipal de Imperatriz (Agesmi) se juntaram para apear do cargo o eterno presidente do Conselho Municipal de Educação, Juscelino Pereira Lima, e, com isso, abocanharem o quinhão do bolo que ainda lhe cabe.

A perfídia, segundo comentários, é resultado de uma triangulação envolvendo gente do prefeito eleito, Assis Ramos, e os presidentes do Steei e da Agesmi, a dupla Francisco & Cleomar.

O pacote inclui, além da derrocada de Juscelino da presidência do Conselho,  a sabotagem do Congresso Municipal de Educação, agendado para as próximas semanas, e uma greve a destemo, tudo encomendado para dá a falsa impressão segundo a qual a educação vive um caos, e, com isso, emprestar o argumento necessário para justificar o congelamento dos salários dos professores em 2017, encomendado pelo Delegado Assis.

Em troca as duas forças restantes, indicariam o cargo de secretário adjunto de Educação, a diretoria de escolas conveniadas e dezenas de cargos que estariam vagos a partir de 1 de janeiro. Ou seja, os professores municipais não passariam, infelizmente, de "massa de manobra" ou, como queiram, "trampolim" para o alcance de benesses de vendilhões da fé classista.


Impressionante! O jogo é bruto!

Nenhum comentário