Insurgências contra Flávio Dino

Share:

Deu na Coluna Estado Maior


flavio-carrancudo-300x198


Acostumado a receber apenas “recados” de aliados nos bastidores, o governador Flávio Dino (PCdoB) começou a experimentar, nos últimos dias, a insatisfação pública de membros da sua base política, seja na Assembleia Legislativa, seja nos municípios.


O movimento começou na semana passada, quando o deputado Cabo Campos (DEM) reclamou da tribuna da Assembleia do não pagamento de diárias devidas a policiais militares.


Nesta semana, outros três deputados se manifestaram: Paulo Neto (PSDC) reclamou porque a prefeita de Mata Roma, Carmem Neto, sua esposa, não foi convidada pelo cerimonial do governo para um ato oficial na cidade administrada por ela; Leo Cunha (PSC) criticou a situação de insegurança em Imperatriz e Josimar de Maranhãozinho (PR) denunciou a falta de pagamento das contrapartidas estaduais para custeio de hospitais de 20 leitos nos municípios.


Mas foi uma entrevista do prefeito de Santa Inês, Ribamar Alves (PSB) o que mais repercutiu. À Rádio Mirante AM, o socialista se disse abandonado pelo governo, reclamou da falta de parceria e mostrou-se ressentido por haver trabalhado tanto pela eleição de Flávio Dino, sem receber, agora, tratamento adequado do Palácio dos Leões.


No auge da insurgência – que não é só do prefeito -, Alves chegou a acusar o governo de haver “armado um circo” para prendê-lo, em recente episódio, sob acusação de estupro.
– O que existiu foi montado, um circo que queria colocar alguém na mídia para encobrir a criminalidade no Maranhão. Vamos montar o circo pegando um aliado para mostrar, “olha oposição, aqui não passa a mão na cabeça de ninguém”, só acredito nisso – disse.


E, com a proximidade das eleições, a tendência é que os insurgentes avolumem-se ainda mais.

Nenhum comentário